A importância do Orçamento no Sucesso das Empresas

Muitas empresas nomeiam o Orçamento Empresarial como a ferramenta para se atingir os objetivos da organização, porém se esquecem que sem uma elaboração adequada, controle e correção, a peça orçamentária torna-se ineficiente diante de um mercado globalizado e sem fronteiras.

A área financeira tem sido alvo das atenções em todo o globo terrestre desde a crise de 2008.

O que sempre foi uma constatação para as empresas, materializou-se para o resto do mundo. Seja no ambiente corporativo ou familiar, o planejamento financeiro é a principal chave para o sucesso. Dentre as várias ferramentas para o planejamento e controle financeiro, destaca-se o Orçamento Empresarial.

O Orçamento normalmente é elaborado duas vezes por ano. Ele reflete todas as expectativas de Receitas (entrada de recursos) e Gastos (sacrifícios financeiros) da organização. Esta peça orçamentária é consolidada, acompanhada e controlada por uma equipe considerada, dentro de uma estrutura hierárquica, como staff – área que dá suporte as demais, sem que tenha poder de autoridade ou seja subordinada à ela, exceto à sua diretoria e presidência.

A equipe de Planejamento Orçamentário utiliza como subsídios para a elaboração da peça orçamentária informações dos gestores, relatórios anteriores, expectativas do mercado, desempenho da economia, tendências políticas e os anseios dos acionistas.

Para tanto, utiliza-se um conceito chamado Análise SWOT, ou em português, Matriz FOFA significando Forças, Oportunidades, Fraqueza e Ameaças. Ela analisa o ambiente interno (forças e fraquezas) e externo (oportunidades e ameaças) da empresa, para tentar mitigar os problemas e antever as necessidades.

No ambiente interno, as fraquezas compreendem os pontos fracos que a empresa possui. Uma vez detectados, pode-se planejar uma solução e defini-los dentro do orçamento. A necessidade da aquisição de um equipamento pode ser um exemplo, onde estará programado no orçamento o momento de sua compra. Os pontos fortes da empresa, como quadro de funcionários altamente capacitados, encontram-se no quadrante de Forças dentro da Matriz FOFA.

No ambiente externo, as ameaças representam os problemas que poderão atormentar a empresa que estão fora do controle de seus administradores. Um possível aumento da tarifa de energia elétrica autorizado pelo Governo é um típico exemplo, porém a empresa poderá prever este inconveniente em sua peça orçamentária, considerando este aumento de gasto. Da mesma forma uma oportunidade pode ser computada no orçamento, como um aumento da tarifa do serviço que a empresa presta, que possibilitará uma maior receita, também prevista no orçamento.

O orçamento também auxilia no momento em que a organização pretende captar recursos no mercado financeiro (empréstimos) para investimentos, verificando o momento mais apropriado para tal. Sem o orçamento, seria comum a empresa adquirir um empréstimo e ficar meses pagando juros até que o investimento fosse efetivamente implantado na empresa.

Desta forma, a empresa pode definir metas e traçar seu crescimento dentro de parâmetros relativamente confiáveis. Sem o orçamento, a organização se torna refém das mudanças, assumindo atitudes reativas, tal qual um barco à deriva.

No atual mundo globalizado e sem fronteiras, a mudança é a única certeza. Portanto, o orçamento é dinâmico e tem como virtude a projeção de seus valores, porém com flexibilidade. A elaboração do orçamento e sua revisão, realizadas em dois períodos do ano, permite a adaptação da empresa às mudanças e garante sua perenidade na atual economia mundial.

Fonte: Portal Administradores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *